publicidade

intestino_o_nosso_segundo_cerebro_amoestarbem_nutricaoholistica-1

O eixo intestino-cérebro refere-se à conexão neurológica e bioquímica entre o sistema nervoso entérico do intestino e o sistema nervoso central. O microbioma intestinal (cepa bacteriana) é conhecido por afetar a função do sistema imunológico, o sistema nervoso,o comportamento,tolerância ao estresse,humor e questões como ansiedade e depressão.Nas últimas duas décadas, em particular, houve uma compreensão crescente da importância do intestino para o bem-estar do cérebro.

 

Pesquisadores da Universidade do Alabama (2018) potencialmente fizeram uma descoberta inovadora do cérebro. De acordo com seu estudo preliminar, eles descobriram que existem bactérias vivas no cérebro. A maioria das bactérias eram de três filos comuns ao intestino: Firmicutes, Proteobacteria e Bacteroidetes. Essa descoberta ainda precisa ser cientificamente repetida e verificada por outros grupos de pesquisa.

 

Os primeiros sinais de função cerebral prejudicada também podem ser detectados na digestão a secreção prejudicada de enzimas pancreáticas, atividade fraca da vesícula biliar e o comprometimento geral do equilíbrio e função intestinal.

 

 EIXO INTESTINO-CÉREBRO

O cérebro se comunica com o intestino através de dois ramos autônomos distintos do sistema nervoso: o eixo HPA (hipotálamo – glândula pituitária – glândula adrenal) e o sistema nervoso simpático – eixo da glândula adrenal que regula o sistema linfático do intestino.

É importante compreender a natureza contínua da comunicação entre o cérebro e o intestino e os mecanismos reguladores bilaterais envolvidos. Um bom exemplo disso é uma forte reação emocional que causa “borboletas no estômago”. Por outro lado, o intestino envia ao cérebro informações sobre o alimento ingerido e seus efeitos no intestino.

 

CÍRCULO VICIOSO

A natureza bilateral da comunicação entre o cérebro e o intestino pode formar o chamado círculo vicioso (circulus vitiosus).

 

A condição inflamatória contínua ou desequilíbrio do intestino pode causar deterioração das ligações entre os enterócitos na superfície do intestino, causando permeabilidade intestinal.

 

Da mesma forma, a função cerebral prejudicada ou hiperatividade relacionada ao estresse do sistema nervoso simpático prejudica a função do nervo vago.

 

Isso prejudica a função do sistema imunológico e reduz a circulação sanguínea no intestino, o que, por sua vez, aumenta o crescimento de fungos e bactérias nocivos no intestino.Eles podem danificar o tecido superficial do intestino e agravar a permeabilidade intestinal (síndrome do intestino permeável).

 

Uma inflamação contínua de baixo grau do sistema também pode agravar a permeabilidade intestinal.Isso resulta na produção de citocinas (substâncias mensageiras inflamatórias) no intestino.

 

Devido à permeabilidade do intestino, as substâncias mensageiras são capazes de entrar na circulação e no cérebro através da barreira hematoencefálica. A inflamação faz com que a barreira hematoencefálica também se torne permeável, o que, por sua vez, ativa as células do tecido conjuntivo do cérebro, também conhecidas como células da microglia.O resultado é uma inflamação crônica condição do cérebro que prejudica a função cerebral e pode causar ansiedade e depressão.

 

Completando assim o círculo vicioso que vai piorar a menos que você retire quaisquer ingredientes que afetam o sistema digestivo positiva ou negativamente. Alimentos alergênicos, toxinas que ocorrem naturalmente ou artificialmente nos alimentos e bactérias intestinais que reagem à alimentação representam desafios únicos. Por outro lado, muitos ingredientes reduzem a reação inflamatória do intestino, facilitam o processo digestivo ou fornecem materiais necessários para a regeneração dos tecidos.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Reproduzir vídeo
× Como posso te ajudar?